Olá amigos e amigas amantes de Romances de época. Hoje temos mais uma convidada de honra aqui no blog da Convenção. Minha amiga de longa data e também apaixonada por romances de época, Leninha. Ela prontamente aceitou o nosso convite e nos agracia hoje com suas palavras! Vamos conhecer um pouco mais sobre a Leninha e a sua paixão por romances de época?

Olá, para quem não me conhece eu sou a Leninha, do blog Sempre Romântica (http://www.sempreromantica.com.br), um espaço que nasceu da minha necessidade de compartilhar aventuras e experiências com minhas leituras. Estou aqui, hoje, para falar um pouco sobre minha relação de amor com os Romances de Época, e agradecer a Elimar pelo convite. Valeu Diva!

Desde a infância eu tinha fascínio pelas letras. Antes mesmo de começar a ler já me encantava com os livros nas bancas de jornal. Gosto de ler de tudo, mas minha primeira experiência foi com romances de banca, os ditos “Romances água com açúcar”. Sempre me considerei uma leitora de bom gosto, lia romances, dramas, quase tudo que me aparecia pela frente, mas sempre livros com casais apaixonados, intrigas intermináveis e, claro, finais felizes. Todas as vezes que eu me aventurava em um novo livro, um universo de imagens, cores, perfumes e sons se abriam para mim, era como descobrir um lugar seguro para viver.

Um dia, vi um livro na mão de uma colega de trabalho, que não conhecia. Logo eu, uma devoradora de romances me deparei com aquilo, o livro se chamava Flor do Pântano, de Patricia Potter. Tudo, naquele livro, me atraia: a moça bonita na capa, os detalhes da época, a sinopse, o titulo do livro escrito em relevo e até o cheiro. Não deu outra, peguei o livro emprestado e, desde então, nunca mais parei de ler o gênero. Foi como se novas portas se abrissem e me permiti descobrir um novo lugar, ainda melhor do que o anterior, e dele eu nunca mais saí.

Nunca me considerei uma viciada em romances (vicio para mim é algo ruim), me considero uma apaixonada por boa leitura, uma pessoa que abre mão de certas coisas da atualidade para ler. No universo dos romances de época a pessoa se perde em aventuras, se apaixona por personagens e se torna fã de autoras que antes nem sabia que existiam.
Qual não foi minha surpresa ao me deparar com autoras maravilhosas que escreviam séries, livros interligados por famílias, fatos históricos e diversos outros temas? Isso me abriu um leque de opções tão grande, que nunca mais me senti sozinha. Sempre aparecia um personagem que eu já havia visto em outro livro, e uma história puxava a outra e mais outra, difícil se sentir só assim.

Foi então que descobri Deborah Simmons, Margareth Moore, Ruth Langan, Jo Beverly, Hannah Howell, Terri Brisbin, Claire Delacroix, Janet Dailey, Penny Jordan, Diana Palmer, Cary Cameron, Susan Spencer Paul, entre tantas outras.

Se abria para mim um mundo de histórias inesquecíveis, famílias maravilhosas, mocinhos e vilões inesquecíveis, e tanto romance que dava crise de diabetes todo mês (risos).

Depois da minha febre pelos Clássicos Históricos de banca tive a sorte de ver algumas editoras apostando no gênero Romances de Época. Foi quando a Editora Arqueiro nos trouxe a princípio Julia Quinn, Lisa Kleypas e Madeline Hunter. Depois delas já temos diversas outras autoras publicadas pela Arqueiro, e muitas outras editoras apostando também nos nossos queridinhos de época. Acredito que a novidade já passou, o que restou foi uma legião de fãs que não sabe mais viver sem essas histórias.

E para quem achava que a coisa ia ficar apenas nos autores estrangeiros, quebrou a cara, a aposta mais nova e que desponta por aí são as autoras nacionais escrevendo Romances de Época, e são tantas, cada uma com um talento de deixar qualquer um de queixo caído. Exemplo disso são as autoras: Lucy Vargas, Roxane Norris, Marina Carvalho, Babi A. Sette, Louise Bennett, Bia Carvalho entre outras. Sucesso para vocês meninas, talento vocês têm de sobra.

E, para quem já lia o gênero desde muitos anos atrás, foi mais do que ganhar um presente. Saber que os Romances de Época estão aí, para quem quiser ler, é muito gratificante, e da mesma maneira que era difícil para a gente conseguir encontrá-los nas livrarias e sebos, é fácil hoje em dia para os novos leitores. Que sorte a deles, e claro, a nossa.

Desejo vida longa às autoras que nos brindam com suas histórias inesquecíveis; vida longa para as editoras que apostam no gênero; vida longa para os leitores que compram e fazem com que a editoras publiquem mais; vida longa para a gente, e muitos livros para encantar nossos dias!

Quero agradecer novamente o convite e dizer para todos os fãs do gênero: Nos vemos na Convenção de Romances de Época,  em dezembro,  no Rio de janeiro. Até lá!